sábado, 19 de janeiro de 2013

Margem, ordem e progresso

Ordeiro, sempre foi esse povo brasileiro. Da estampada “Ordem e Progresso” de nossa bandeira, lia-se nesta segunda palavra uma simples poesia... para não dizer utopia. Eis que se realiza: O progresso tem chegado às cidades.

Estamos em Pires do Rio (GO), ao lado da minha querida Palmelo, sudeste goiano. O progresso chegou sob a ordem do ícone da revolução industrial, grandes empresas e extensas fábricas se instalaram empregando o povo vizinho e ampliando os cercados do município.

Os 30 mil habitantes hoje podem até acessar um site emdesenvolvimento. Os canteiros nas ruas e praças estão um mimo só. Escolas, particulares e públicas, indústrias, comércio fervilhante, liquidação todo dia, chamando o concurso das empresas de crediário. É a modernidade.

Só faltava um item característico para o diagnóstico definitivo dessa patologia social chamada progresso iluminista: a margem. Mas não se preocupem, pois já se consegue delinear. Há lojas em que se sabe, só entra rico. Ou seja, não entra Maria, a mulher que me forneceu o aval de cidade grande e desenvolvida para Pires do Rio. Quis fotografá-la, mas não o fiz.

Com um menino no colo, possivelmente o filho, o irmão ou apenas outro igual que viu ser desenhada a margem da sociedade bem sob seus pés, nem 10 nem 20 metros de distância. Parece, afinal, que não há ordem e progresso sem margem. E sempre há quem esteja de um lado e de outro dessa margem.

Maria apareceu, então, como pedinte de trocados para o leite do filho, o garoto em seu colo. Maria pode não ser o seu nome. O menino pode não ser seu filho. Mas a necessidade é real, tem nome (progresso) e criou um filho (marginalidade).

Infelizmente, a cidade só acordará de seu tardio sonho iluminista quando esses filhos se multiplicarem e desenvolverem outras habilidades incomodativas que não o ato de pedir um trocado... o consumo das drogas sempre disponíveis, os furtos em nome da própria sobrevivência ou da sobrevivência de um vício necessário, papelões espalhados, panelas à espera de moeda nas ruas, dentre tantos outros efeitos já conhecidos de todos, mas pouco repensados.

No Brasil, o país que tem o formato e a sina de coração do mundo, não pode ser ordeiro apenas sob as arguições da razão modernista. Outra bandeira, já assinalada por Ismael, paira esperando nosso concurso: “Deus, Cristo e Caridade”. Para os ateus, seja “Amor, Justiça e Caridade”.

Se o paradigma não mudar, se a frase da bandeira não mudar, seguiremos na perspectiva que ainda hoje desconcilia fraternidade e liberdade, sem achar o elo da humildade, e que tem no conceito de justiça, o ato de punir marginais, quando deveríamos assumi-los como filhos queridos, prevenindo-lhes a rusga.

História do texto e referência

Esse texto surgiu, necessariamente, porque Maria me pediu um trocado enquanto sentado num dos bancos da praça central de Pires do Rio, eu lia o subtítulo “Violência e progresso” no livro “A Escola de Frankfurt – luzes e sombras do iluminismo”, de Olgária C. F. Matos. É clara a referência da análise que poderia ter ainda outras tantas abordagens. “Brasil, coração do mundo e pátria do evangelho” (FEB, 1938) e “Rumos para uma nova sociedade” (USE, 1996) também referenciam a conclusão desse pensamento ensaiado.

2 comentários:

  1. João, preciso lhe convidar para postar no Blog Viagem Constante. Seu texto me fez pensar em tres coisas diferentes, na ordem e nas pessoas a margem do progresso, algo assim.

    De qualquer forma, parabéns pelas atualizações, rs.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Adenevaldo! Xácomigo que um dia te mando algo pro Viagem Constante, quando achar que tenho texto adequado.

      Excluir

Digite seu e-mail aqui para receber atualizações do Descaradamasio. A média é uma postagem semanal.